NEUROARQUITETURA APLICADA AO AMBIENTE HOSPITALAR DE ATENDIMENTO À CRIANÇAS

Karolina Melo Miranda

Resumo


O hospital é visto, por diversas pessoas, como um ambiente hostil à natureza humana por potencializar a vulnerabilidade dos usuários, principalmente na infância. Estes são afetados diretamente pelas circunstâncias adversas que interferem em sua vida, como as doenças. O cenário apresentado, na maioria das vezes, é compartilhado entre os pacientes e os profissionais, que compõem inúmeras equipes de trabalho, desse modo, é de suma importância conhecer e entender as infinitas necessidades do cotidiano dos envolvidos, seja paciente ou colaborador do edifício hospitalar. Com estudos baseados na neurociência aplicada à arquitetura – neuroarquitetura –, é possível compreender como determinados elementos interferem no comportamento dos usuários e os impactos positivos ou negativos que causam no cérebro humano. Os ambientes despertam memórias particulares e diversas sensações singulares a cada indivíduo. Os processos que envolvem a relação entre estímulos sensoriais e mudanças comportamentais que o ambiente pode causar no cérebro humano, de acordo com a percepção individual de cada usuário, se tornaram objeto de análise de uma nova vertente de estudos, chamada neuroarquitetura. Desse modo, a presente pesquisa se baseia em utilizar de forma estratégica a influência causada através da arquitetura, a produção de ambientes únicos e acessível a todos, tornando de forma mais leve e sútil a harmonização entre o usuário e o espaço.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.